setembro 29, 2010

Noir

Impossível amanhecer. Ou não?

Depilei as axilas, as pernas, a púbis, os pelos. Raspei a sobrancelha e os cabelos. Não me reconheço. Revejo meu itinerário, limpo os armários, os bolsos, o peito. Levo na lágrima o filho que não tive e o bom filho que não fui. E outros.

Sonhei que todos os livros foram roubados.
Tentei ler nas mãos linhas apagadas e nos olhos a palavra que se cala no lugar que não alcanço. A terra não tem sido leve.

3 comentários:

Tati disse...

Passei aqui só para dar um "Oi" mesmo! Saudades, beijos, Tati

maricotinha ♥ disse...

Que texto maravilhoso! Em busca de algo, mas o quê?
Amei.
Beijos,

Fabrício Tavares disse...

"Tentei ler nas mãos linhas apagadas e nos olhos a palavra que se cala no lugar que não alcanço"...

Que lindo minha amiga =))